fbpx

A preocupação com bem-estar animal na suinocultura tem feito cada vez mais parte das discussões sobre a produção moderna. Compreender e proporcionar todas as necessidades dos suínos é fundamental para que eles tenham qualidade de vida. Por sua vez, a melhoria no trato animal gera impactos econômicos no seu negócio.

Segundo informações da Embrapa Suínos e Aves, as perdas relacionadas ao bem-estar animal chegam 0,15% do produto final desembarcado nos frigoríficos. Esse número parece pequeno, mas não é: o percentual representa um total de R$30 milhões anualmente para o mercado de suínos.

Com intuito de reduzir essas perdas e proporcionar maior qualidade de vida durante toda a cadeia produtiva, foram criados princípios de liberdade do bem-estar animal na suinocultura. A seguir, você vai conhecer quais são eles e os cuidados necessários para promovê-lo. Acompanhe!

O que significa bem-estar animal?

As questões relacionadas ao bem-estar dos suínos têm crescido rapidamente em resposta às exigências dos consumidores. Atualmente, as pessoas têm se interessado mais pela produção alimentos e, com isso, têm cobrado cada vez mais que produtores de alimentos não maltratem os animais.

A União Mundial de Saúde Animal adotou em 2009 a seguinte definição:

“Bem-estar animal significa como um animal está lidando com as condições em que vive. Um animal é considerado em bom estado de bem-estar se (com comprovação científica) estiver saudável, confortável, bem nutrido, seguro, capaz de expressar o seu comportamento natural e se não tiver sofrendo com dores, medo e angústias”.

Para promover o bem-estar suíno são necessários cuidados como a prevenção contra doenças, tratamento veterinário, abrigo adequado, nutrição, manejo cuidadoso e abate humanitário. O conforto e felicidade dos suínos se relaciona ao tratamento que eles recebem e às relações envolvidas no seu cuidado médico e na sua rotina.

Quais são os princípios de liberdade do bem-estar animal?

O bem-estar animal está ligado a dois conceitos principais: o conforto físico que diz respeito ao estado corporal e a saúde do animal e a satisfação dele com o ambiente em que é criado. Essas duas características juntas determinam a felicidade e conforto dos animais.

Assim, foram estabelecidos cinco princípios de liberdade que todo animal deve ter — e você confere a partir de agora:

Livre de fome e sede

O animal deve ter acesso à comida e água na quantidade, frequência e qualidade ideais para o seu desenvolvimento. Uma dieta balanceada, assim como a hidratação apropriada, são fundamentais para manter o equilíbrio nutricional e evitar doenças.

Livre de dor, injúria e doenças

A saúde física dos suínos de corte é de extrema importância, principalmente porque criações de grande densidade apresentam maior risco de transmissão de doenças. Por isso, é imprescindível que os animais tenham um acompanhamento médico e que as vacinações estejam em dia, seguindo as orientações da Embrapa ou manual de cada linhagem.

Livre de desconforto

As instalações destinadas aos animais também devem promover o seu bem-estar. O ambiente precisa ter boa ventilação, temperatura e umidade do ar adequadas para proporcionar o conforto térmico. Além disso, o espaço deve ser amplo o bastante para possibilitar a movimentação. Caso essas questões não sejam atendidas, o suíno pode se sentir estressado, afetando consequentemente o seu desempenho.

Livre de medo e estresse

Os suínos são animais sencientes, ou seja, têm sensibilidade e consciência. Dessa forma, assim como humanos, eles conseguem sentir experiências positivas ou negativas, o que afeta a sua rotina. Por isso, os animais devem ser livre de sentimentos que os façam sofrer.

Livre para expressar comportamento natural

Os animais devem ser abrigados em um local que os permitam expressar o seu comportamento natural. Não é ideal que sejam mantidos presos ou em gaiolas. O espaço precisa ser adequado e favorecer as suas necessidades comportamentais. Outro ponto é priorizar a companhia de membros da sua espécie em detrimento de outras.

Quais são os cuidados necessários para promover o bem-estar animal?

A promoção do bem-estar animal na suinocultura é baseada na adoção de práticas mais humanitárias em todas as fases da cadeia produtiva — ou seja, do nascimento ao abate. O objetivo dessa prática é oferecer cuidados desde o ambiente em que os animais vivem até a forma como é feito o seu abate.

A adesão dessas técnicas na rotina da fazenda apresenta benefícios não apenas para os suínos, mas também para os trabalhadores e, inclusive, no lucro final. Afinal, a utilização de padrões com foco no bem-estar animal coincide com ganhos de produtividade.

Listamos alguns dos principais cuidados na criação de leitões em diferentes fases da suinocultura.

Maternidade

A maternidade é um momento de muita sensibilidade para as fêmeas. Por isso, o ideal é que, durante esse período, elas sejam mantidas em baias de gestação, que podem ser coletivas ou individuais, com acesso a camas. Essa é uma norma estabelecida pelo “Certified Humane”.

O espaço disponível para o parto deve ser amplo, a fim de evitar o esmagamento dos recém-nascidos. As fêmeas, assim como os filhotes, devem ser mantidos por pelo menos 28 dias na área de maternidade, para promover a recuperação da mãe e o desenvolvimento dos leitões.

Engorda

Para proporcionar bem-estar aos animais, os cuidados durante a fase de engorda devem ser relacionados:

  • à alimentação saudável e em quantidade suficiente;
  • à água potável, limpa, fresca e abundante;
  • às instalações seguras, para que os animais não se machuquem;
  • às temperaturas adequadas;
  • ao espaço para movimentação;
  • à área de repouso seca e confortável;
  • ao manejo calmo e tranquilo.

Esses são os principais itens do conjunto de normas da Certified Humane para o bem-estar animal. A instituição também divulga o documento completo com todos os padrões sugeridos para promoção da qualidade de vida na criação de suínos.

Abate

O abate é um momento de muito estresse para o animal. O abate humanitário envolve uma série de cuidados no manejo pré-abate, com o objetivo de reduzir o sofrimento desnecessário. Para isso, o indicado é insensibilizar os suínos antes para que eles não sintam dor no ato, prática que pode ser realizada com o uso de gás ou insensibilização elétrica de dois pontos (eletronarcose) e três pontos (eletrocussão).

Os conceitos de bem-estar animal na suinocultura estão cada vez mais presentes na sua produção. Entre eles: evitar sofrimento, maus tratos e estresse e, garantir alimentação de suficiente, conforto térmico e instalações adequadas. Promover essas práticas na rotina da sua fazenda não apenas melhora a produtividade e qualidade como também facilita o trabalho dos funcionários.

Aproveite a visita ao blog e leia o nosso artigo: “Crescimento e engorda de suínos: a importância da alimentação adequada”!

Escreva um comentário