fbpx

A debicagem das aves é o processo que consiste do corte parcial do seu bico. O objetivo dessa prática é reduzir os efeitos do alojamento, melhorar o desempenho produtivo, reduzindo a bicagem de penas e o canibalismo. No entanto, é preciso tomar alguns cuidados antes, durante e depois do processo para evitar desconforto aos animais.

Para ajudar você a executar essa operação de forma correta, preparamos este guia que aborda as principais metodologias de debicagem. Além disso, trouxemos informações valiosas sobre a influência que essa prática tem no desenvolvimento dos lotes. Continue a leitura!

Quais as principais metodologias usadas para debicagem?

A execução correta dessa técnica é importante para evitar desconforto excessivo para as aves, pois se executada de maneira incorreta pode impactar no desenvolvimento das aves e consequentemente na produção inicial de ovos. Por isso, alguns cuidados são necessários, como atenção e ajuste dos equipamentos bem como sua manutenção constante, e principalmente treinamento da equipe que executará a atividade.

A seguir, apresentamos as três metodologias mais difundidas na indústria avícola para debicagem das aves.

Tradicional com lâmina quente

O método consiste no corte e cauterização do bico da ave com uma lâmina quente, a aproximadamente 700 °C — sendo ideal realizá-lo no período de 7 a 10 dias de vida do animal. Esse corte deve ser feito a 4 mm das narinas. Muitos criadores ainda realizam uma segunda debicagem quando a ave atinge de 10 a 12 semanas de idade.

O corte com lâmina quente é o mais utilizado na maioria das granjas. Contudo, apesar dos seus benefícios, essa metodologia é contestada por muitos pesquisadores e ONGs defensores do bem-estar animal. Eles afirmam que é uma prática agressiva e que poderia ser substituída por outras metodologias em um futuro próximo.

Radiação infravermelha

Com os avanços tecnológicos, algumas metodologias alternativas foram desenvolvidas nos últimos anos. O tratamento do bico por radiação infravermelha consiste em aplicar um feixe radiação infravermelha no tecido córneo do bico, o que o leva à queda em até 14 dias após tratamento.

Essa técnica é menos invasiva e agressiva, se comparada ao corte com lâmina quente. Além do mais, a ausência de sangramento reduz o risco de contaminação de microorganismos.

Outro benefício percebido é que as aves tratadas com essa metodologia têm uma recuperação mais rápida. Assim, elas conseguem retornar ao comportamento normal de alimentação mais rapidamente, já que o bico já está cicatrizado. O que resulta em melhor eficiência alimentar e menor tempo de recuparação.

Debicagem em V

Outra técnica utilizada por alguns avicultores é o corte com o debicador Verschuuren, que realiza a debicagem transversal com uma lâmina que tem o formato em V, por esta técnica se realiza um tratamento mais rente à narina e assim se realiza apenas um tratamento de bico, no período entre 7 e 10 dias, se bem realizado evita a necessidade de um segundo tratamento às 10 ou 12 semanas de vida.

Quais cuidados a serem tomados antes e após a operação?

Para realizar a debicagem sem qualquer risco para o animal, é preciso tomar alguns cuidados antes, durante e após o processo. O estresse causado por um mau procedimento pode afetar a produção inicial de ovos, alimentação e recuperação pós procedimento. .

Para preparar o animal para operação, de dois a três dias antes e dois a três dias depois, forneça uma solução de eletrólitos contendo vitaminas — principalmente a vitamina K. Essa prática é recomendada para auxiliar o processo de coagulação sanguínea na região tratada e aliviar o desconforto.

Nos primeiros dias após a prática , as aves podem ter dificuldades de se alimentar. Por isso, até se adaptarem, é preciso monitorar sua ingestão de água e ração. Assim, você evita que elas se desidratem e percam peso em excesso. Nesse momento, o ideal é aumentar a frequência de arraçoamento, a fim de incentivar o consumo. Também fique atento à sensibilidade — devido a operação, o bico pode ficar mais sensível, dificultando a alimentação e causando dor ao animal.

A debicagem deve ser realizada somente por um profissional treinado nessa operação, uma vez que existem riscos envolvidos no processo. A debicagem, quando não é feita da forma adequada, pode causar danos as aves, podendo impactar sobre o desenvolvimento, se não conduzida de forma correta.

Por isso, é fundamental fazer o ajuste correto do equipamento para que não erre o corte, além de realizar manutenções constantes para evitar falhas técnicas.

Quais são os benefícios da debicagem para o desenvolvimento dos lotes?

Apesar da dor causada, a debicagem oferece benefícios tanto para o animal quanto para a gestão da produção. As aves que passam por essa operação reduzem os comportamentos agressivos. Além disso, esse processo também colabora para diminuição do desperdício de ração e evita que o anima escolha o alimento.

Com base em tudo que foi apresentado, é possível compreender que a debicagem, apesar de causar desconforto ao animal no momento da operação, apresenta benefícios para ele ao longo de sua vida — a exemplo de uma convivência mais harmoniosa na granja. Além do mais, a diminuição da agressividade e estresse irá impactar positivamente sobre os índices zootécnicos dos lotes.

Nesse processo, lembre-se de que é muito importante que o procedimento seja realizado por um profissional treinado, para evitar riscos para as aves. Da mesma forma, tome os cuidados necessários antes, durante e depois para reduzir as falhas que afetem o desempenho do animal e garantir seu bem-estar.

Gostou deste conteúdo sobre debicagem? Então aproveite a visita ao nosso blog para ler o artigo “Veja como melhorar o manejo de galinhas poedeiras na sua fazenda”.

Este conteúdo foi produzido com a colaboração de Javer Alves Filho, Especialista em Nutrição de Aves da Vaccinar.

Escreva um comentário