fbpx

A produção de gado de corte brasileiro está entre as mais eficientes do mundo, visto que o país é o primeiro no ranking de exportação. O pecuarista que deseja manter seu empreendimento firme e estável em um mercado que está cada vez mais exigente precisa estar preparado e atento a todos os processos da cadeia produtiva. Dessa forma, ter um bom planejamento e uma gestão eficiente é o que vai garantir o sucesso do empreendimento.

O crescimento da demanda e os altos padrões de qualidade estabelecidos pelo comércio requerem níveis elevados de profissionalismo, passando pela compra de insumos e manejo e de nutrição animal até a análise dos resultados da produção. A aplicação dos investimentos precisa ser acertada e a tomada de decisões eficaz para evitar prejuízos e atingir as metas definidas. O bom gerenciamento é, portanto, o fator determinante para o êxito na pecuária.

Então, o que é necessário para fazer uma gestão eficiente na produção de gado de corte? Qual é a importância do gestor para assegurar as boas práticas administrativas da fazenda que conduzirão a uma maior rentabilidade? Continue a leitura do nosso artigo e entenda!

Como fazer uma gestão eficiente em gado de corte?​

Para conseguir uma gestão eficiente em gado de corte é preciso conhecer a propriedade globalmente. Ou seja, fazer um levantamento de equipamentos, área total disponível, divisões dos pastos, tamanho do rebanho, categorias e investimentos, além da coleta dos dados zootécnicos. Com essas informações em mãos, os indicadores de desempenho podem ser definidos, observados, examinados e redimensionados. Esse processo alicerça a essência da gestão, visto que o processamento de dados gera conhecimentos relevantes para a tomada de decisões, permitindo o aperfeiçoamento no uso dos recursos.

A partir desse mapeamento das condições e perspectivas do empreendimento, é possível estabelecer ações corretas de gestão ou planejamento. Na prática, o conceito de gestão dentro das propriedades de gado de corte deve ser efetuado da seguinte forma:

  • diagnostique como estão as condições da fazenda e do negócio;
  • crie metas, saiba onde quer chegar;
  • planeje como atingir as metas estabelecidas;
  • implante formas de controlar o andamento da produção para acompanhar, de perto, se tudo está ocorrendo conforme foi planejado.

Ao longo do tempo, por meio do estudo continuado e comparativo das informações recolhidas, a habilidade administrativa do produtor tende a aumentar, pois ele aprende com as experiências anteriores e refina o seu entendimento global sobre o negócio. Quanto mais dados o gestor tiver, maior será a sua segurança para intervir e atuar e, com isso, maiores serão as probabilidades de obter sucesso na produção.

Qual é o papel e como deve ser a atuação do gestor dentro desse contexto?

Seja qual for o empreendimento, a presença de um bom administrador é o fator determinante para que a propriedade caminhe em direção ao triunfo ou ao fracasso. Nesse contexto, o gestor é o responsável por elaborar todo o planejamento estratégico da empresa, por certificar se as etapas produtivas estão funcionando dentro do que foi programado e, quando necessário, por realizar as devidas correções.

O gestor rural de gado de corte é um profissional dinâmico, que está sempre em busca de inovação — tanto para a fazenda e cadeia produtiva como para o seu próprio desempenho — e está apto a interpretar as metas estabelecidas pela empresa. Assim, o administrador segue os quatro passos essenciais do método de qualidade (conhecido como ciclo de Deming, em inglês, PlanDo, Check, Act ou Adjust), que foca na melhoria contínua dos processos:

  • planejar;
  • executar (e organizar);
  • verificar (e coordenar);
  • agir (ou ajustar).

Em uma propriedade rural, o gestor pode ser o próprio pecuarista, se ele tiver uma aptidão natural para desempenhar esse papel. Porém, caso o produtor não goste ou não tenha o perfil ou as habilidades gerenciais necessárias para administrar o negócio, ele pode pensar em capacitar pessoas de sua confiança ou, ainda, contratar consultores especializados em gerenciamento de fazendas.

De qualquer forma, é importante lembrar que bons gestores não surgem de repente. Mas, à medida que se conhece o funcionamento da propriedade e se trabalha com organização e liderança, atingir os objetivos estipulados acaba sendo um processo natural.

Cabe ressaltar, também, que um bom administrador não é aquele que apenas controla e manda, e sim um profissional capaz de interagir, com firmeza, harmonia e empatia, com as pessoas envolvidas na atividade. Um gerente de qualidade é alguém que preza pela boa comunicação entre a equipe de trabalho.

Quais são as melhores práticas para um bom planejamento e controle na gestão pecuária?

Dito tudo isso, fica fácil compreender que o gestor precisa ser consciente e saber o que busca para a empresa rural de gado de corte. Portanto, ele deve ter em mente algumas práticas que contribuem para iniciar a nova forma de gerir sua atividade. Sendo assim:

  • defina o objetivo que deseja alcançar com a atividade que está propondo a realizar na empresa rural;
  • estabeleça uma visão de futuro, ou seja, de como espera e almeja que seu negócio esteja dentro de 5, 10, 20 ou 30 anos;
  • planeje seu modelo de negócio de maneira consciente: defina qual o valor a ser agregado nos produtos e como isso será feito, de acordo com cada categoria trabalhada (cria, recria, engorda ou ciclo completo);
  • invista em tecnologia em todas as etapas de produção: raças com bom potencial genético, medidas de controle sanitário, nutrição de qualidade, equipamentos que promovam o bem-estar animal, softwares de gestão empresarial etc.;
  • ajuste as atividades e os investimentos de acordo com a capacidade financeira da empresa;
  • planeje como abordará o mercado (atendendo o mercado de commodities ou de nichos em carne de qualidade).

Ao executar o gerenciamento da produção de gado de corte com essas premissas, o administrador consegue manter a produtividade alta e assegura que os investimentos sejam bem aplicados, garantindo a rentabilidade do negócio.

Quais indicadores devem ser utilizados para a gestão do gado de corte em fazendas?

É imprescindível que o pecuarista colete e registre todos os dados zootécnicos da fazenda, pois é a partir deles que se consegue estabelecer as metas e modificar qualquer estratégia nutricional ou operacional que não esteja apresentando resultados satisfatórios. Entre os indicadores que devem ser utilizados na fazenda pecuária, podemos destacar:

  • ganho médio diário;
  • produção de arrobas/ha/ano;
  • lucro/ha/ano;
  • lotação dos pastos;
  • taxa de desfrute;
  • taxa de natalidade;
  • taxa de desmame;
  • taxa de reposição;
  • desembolso por cabeça por mês.

A criação de gado de corte é uma atividade em constante evolução, que ruma em direção ao profissionalismo cada vez mais elevado, em todas as etapas da cadeia produtiva. Alinhar os princípios do bem-estar animal com tecnologia de ponta e ferramentas que auxiliam a gestão do negócio moderniza a produção, garante ao mercado consumidor o suprimento de carne segura e de qualidade e eleva os ganhos do produtor.

Gostou da leitura do nosso artigo? Esse conteúdo foi informativo e esclarecedor para você? Então aproveite, assine nossa newsletter e receba, diretamente em seu e-mail, mais conteúdos para impulsionar o seu negócio!

Esse conteúdo foi produzido com a colaboração de Leonardo Tadashi Egawa, Assessor Técnico Ruminantes da Vaccinar.

Escreva um comentário