fbpx

Já não é novidade que o Brasil é um dos maiores produtores de proteína animal do mundo, não é mesmo? O que pouco se comenta é que, para manter o funcionamento desse sistema, a indústria de fabricação de rações precisa andar no mesmo compasso de crescimento. Isso significa que o mercado está em franca ascensão e oferece boas oportunidades para quem deseja empreender no setor.

A nutrição animal é um dos braços do agronegócio que mais recebe atenção, dada a sua importância para o desempenho dos rebanhos e plantéis. Cada vez mais, os produtores buscam por dietas que maximizem a produtividade da sua criação, estabelecendo fortes parcerias com seus fornecedores. Mas para entrar nesse mercado e colher os seus bons frutos, é preciso saber como montar uma fábrica de ração.

Está pensando no assunto, mas não sabe por onde começar? Este artigo traz as informações necessárias para você dar o primeiro passo, além de mostrar bons motivos para você montar uma fábrica de ração. Acompanhe!

Por que montar uma fábrica de ração animal?

Um dos grandes desafios do setor agropecuário é aumentar a sua produtividade para suprir a demanda alimentar de uma população em constante crescimento. Nos próximos 30 anos, os produtores terão de produzir muito e em pouco tempo, mas ocupando espaços cada vez mais restritos e aproveitando ao máximo os recursos disponíveis.

A maneira mais eficiente de unir esses princípios é por meio da nutrição dos animais. Pesquisas em desenvolvimento estabelecem tecnologias no processo de fabricação de rações que maximizam a eficiência produtiva e reduzem a perda de nutrientes resultando em fórmulas mais elaboradas, que apresentam maior valor agregado, maior digestibilidade e melhor conversão alimentar.

Além disso tudo, cabe destacar que há dois mercados em expansão no país: o agropecuário e o pet. Segundo dados do Instituto Pet Brasil, já temos quase 140 milhões de animais de estimação, entre cães, gatos, aves, peixes e répteis.  Ano após ano, o setor atravessa incólume as crises econômicas, demonstrando ser um porto seguro para investimentos.

Quando se trata da esfera agropecuária, é importante lembrar que, com o aumento da população e da classe média, há uma tendência de crescimento no consumo de proteína animal. Dessa forma, a indústria de ração se beneficia diretamente.

Em 2018, houve um aumento de 3% na produção mundial de rações, e o Brasil ocupa o 3º lugar entre os oito maiores produtores, detentores de 55% do total de rações.

Como montar uma fábrica de ração animal?

Independentemente se a sua vontade é montar uma fábrica de ração voltada para pets ou para agropecuária, é preciso estabelecer alguns pontos para colocar o negócio em prática. Veja a seguir.

Monte um plano de negócios

Esse é o instrumento base para iniciar qualquer negócio. Resumidamente, o plano será o retrato do seu empreendimento e constará todas as suas necessidades (de equipamentos, por exemplo) e definirá até mesmo o perfil essencial para o gestor e demais colaboradores da empresa.

Liste, com detalhes, quais são os seus objetivos e descreva, com igual riqueza, o que precisa fazer para alcançá-los. O plano de negócios deve ter:

  • sumário executivo: o que e como fazer;
  • análise de mercado: quem vai comprar o seu produto;
  • plano de marketing: como atrair o público para o seu produto;
  • plano operacional: em que local cada setor será alojado;
  • plano financeiro: o quanto tem para investir e qual o seu capital de giro;
  • possíveis cenários: qual o seu plano B, caso algo dê errado;
  • avaliação estratégica (análise SWOT): quais são as suas forças, oportunidades, fraquezas e ameaças.

Verifique as instalações

As instalações de uma fábrica de rações devem estar dentro de parâmetros de qualidade que garantam a segurança dos insumos. Os pisos devem ser construídos com material resistente para aguentar impactos e maquinários pesados, além de serem bem drenados para facilitar a limpeza.

Janelas, escadas, corrimãos, canaletas, sifões, teto e paredes devem evitar o acúmulo de sujeira e, também, ser facilmente higienizados. Elevadores, plataformas, rampas e equipamentos precisam apresentar acessibilidade e fácil manutenção, além de estarem de acordo com a NR-12.

Lavatórios e refeitórios devem estar longe de instalações de manipulação de produtos e toda a equipe, capacitada quanto às condições de higiene. Nesse sentido, é preciso também apropriar a limpeza e a desinfecção de maquinário.

A estrutura deve possibilitar o máximo aproveitamento da luz do sol para economizar energia e apresentar um bom sistema para captação, tratamento e eliminação de águas residuais, devidamente aprovado pelo órgão ambiental competente. A ventilação deve evitar o calor excessivo e o controle de pragas precisa ser eficiente.

Adquira os equipamentos

A seleção do maquinário para uma fábrica de rações deve ser criteriosa. Questões como espaço, capital inicial, custos operacionais, disponibilidade de manutenção, capacidade de produção, potencial de crescimento não podem ficar de fora do plano de negócios.

Basicamente, as fábricas de ração podem ser divididas em três setores: recebimento, processamento e expedição. Alguns maquinários variam de acordo com o tipo de ração, se peletizada ou extrusada, por exemplo. De toda forma, os equipamentos devem satisfazer as seguintes esferas:

  • recebimento de matéria-prima: transportadores, elevadores, silos de estocagem, pré-limpeza, limpeza e secagem;
  • processamento: moinhos, sistema de pesagem, pré-misturadores e misturadores;
  • expedição: local em que as rações produzidas ficam armazenadas até que sejam transportadas ao seu destino.

Faça o registro do MAPA

O Ministério da Agricultura Pecuária e Abastecimento (MAPA) é o órgão responsável por regulamentar e fiscalizar os insumos destinados à alimentação animal. Assim como os ingredientes utilizados na composição das rações, a fábrica que produz, fraciona, importa, exporta e comercializa alimentos (suplementos, núcleos, premix e rações) para animais de criação ou de companhia deve ser registrada no MAPA.

O principal objetivo desse controle é garantir a segurança alimentar, as adequações sanitárias nos processos de fabricação, a conformidade e a inocuidade dos produtos.

Os registros dos produtos e dos estabelecimentos são regidos pelo Decreto 6.296/2007, e os pedidos de registros devem ser encaminhados para a Superintendência Federal de Agricultura (SFA) do estado onde se localiza a fábrica.

Além de todos esses cuidados, adotar boas práticas na fabricação das rações garante a qualidade do produto em todas as etapas do processo. Fornecedores idôneos apresentam certificações de nutrição animal. Procure obtê-las!

O mercado de rações cresce à medida que os setores pet e agropecuário se desenvolvem. O Brasil está entre os maiores produtores e oferece boas oportunidades para quem deseja entrar para o negócio. Saber como montar uma fábrica de rações é o primeiro passo para o sucesso na área!

Nosso artigo foi esclarecedor para você? Entenda, agora, como é o processo de fabricação de rações na prática!

Este conteúdo foi produzido com a colaboração de Cláudia Gomes Lúcio, gerente de Formulação, Qualidade e Segurança de Alimentos da Vaccinar.

Escreva um comentário